sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Projetos de lei contra Deus e Sua Palavra - II

Gostaríamos nesta segunda parte de falar acerca dos projetos existentes para a descriminalização do aborto e sobre a união civil de homossexuais. Na parte I nós afirmamos o firme desejo dos petistas em contrariar a Palavra de Deus lutando pela aprovação das propostas constantes no Programa Nacional de Direitos Humanos (PNDH).

Sobre o aborto, o PNDH quer tramitação rápida para que seja aprovada a descriminalização. As mulheres estariam livres para utilizar o aborto como um meio de contracepção, mesmo quando a gravidez não fosse fruto de estupro e não houvesse risco de vida para a mãe nem para o feto. Considera-se que as mulheres possuem autonomia sobre seus corpos podendo decidir se interrompem ou não uma eventual gravidez.

A descriminalização do aborto sofreu muitas críticas e o presidente Lula cogitou em retirar seu apoio a este projeto.

Eu pergunto: Acaso matar um ser humano, ainda que esteja em formação no útero materno, não se constitui em homicídio, então a mãe pode matar seu filho em qualquer fase da vida deste não importa se no útero ou fora do útero, pois é homicídio e é crime da mesma maneira. E agora o governo quer oficializar por força de lei o crime de infanticídio no Brasil. A ciência prova cabalmente que a vida começa na concepção, ou seja, na união entre o espermatozóide e o óvulo. No momento em que o espermatozóide do pai penetra no óvulo da mãe, as instruções genéticas dos dois combinam para formar uma nova vida.

Esta relativização da vida é típica de nossa época. E a hipocrisia e a incoerência é tão grande que o próprio governo promove programas de saúde da gestante, campanhas de aleitamento materno, vacinação infantil, ou seja, defendem a vida e o bem estar dos infantes e agora quer legalizar a morte dos bebês em nome do egoísmo de uma mãe que foi irresponsável em seus relacionamentos, ou, vítima de estupro, mas que somente pensa em si mesma e quer arrancar, quer matar uma vida que ali está plena de potencialidades.

Muitas são para a mulher as consequências que sofrerá ao realizar um aborto deliberado. Não só consequências físicas como também emocionais. É uma marca que carregará pelo resto de sua vida.

E o que nos deixa atordoados é que um determinado bispo, muito conhecido em nosso país, seja a favor do aborto. Não posso de forma alguma concordar que este homem seja um verdadeiro homem de Deus. É inaceitável.

No que concerne à união civil dos homossexuais, descreveremos dois projetos de lei que existem para plenamente conceder direitos aos GLBT (gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros - travestis, transexuais e outros):

1-Projeto de Lei 122/06 - considera crime inafiançável qualquer manifestação contrária aos homossexuais e suas práticas em qualquer local público, inclusive nas igrejas, com penas previstas de 2 a 5 anos de cadeia para os pastores.

2-Projeto de Lei 1151/95 - sobre casamento gay. As igrejas que não realizarem casamento de homem com homem ou mulher com mulher, estarão fazendo discriminação e, portanto, poderão ser multadas e os pastores processados. Este projeto prevê também, que o dia do "orgulho gay" seja oficializado em todas as cidades brasileiras.

Com a aprovação da lei do casamento gay, passariam a ter os mesmos direitos de casais heterossexuais, incluindo aí a adoção de crianças.

Causa preocupação a afirmação do atual governo, de que lutará para desconstruir a "heteronormatividade." Em que consiste a heteronormatividade? Trata-se de um princípio divino que demonstra que o Senhor criou o gênero humano com apenas dois sexos: masculino e feminino. O PNDH estabeleceu ações programáticas na Diretriz 10 "Garantia de igualdade na diversidade." Ali está o estabelecimento e a oficialização, caso aprovado, da abominação homossexual em nossa nação. O governo brasileiro está muitíssimo empenhado em tornar natural algo que Deus em Sua Palavra totalmente condena (Rm 1.26,27; 1 Co 6.10; Lv 18.22; 20.13).

Os mentores ideológicos do atual governo tem um conceito de "direitos humanos" deturpado. Como são homens incrédulos, que querem lançar fora a moral judaico-cristã, à semelhança do que já ocorre em muitos outros países, tudo fazem para aprovar leis que enaltecem aquilo que Deus condena. A mídia tem feito a sua parte para a construção de uma imagem positiva do homossexualismo, através de novelas, filmes e programas. A agenda gay tem avançado enormemente e agora querem que engulamos esta abominação como se fosse algo absolutamente normal, inclusive já existem "igrejas evangélicas gays." Jesus predisse que todos seríamos odiados por causa de Seu Nome (porque estaríamos em obediência à Sua Palavra, dizendo não para os clamores da abominação gay). O apóstolo Paulo diz em 2 Tm 3.1-5 que estes últimos tempos seriam de fato tempos trabalhosos. A iniquidade aumentaria tremendamente e os cristãos com isso estariam sofrendo uma pressão constante por todos os lados. E isto está acontecendo e cremos que aumentará.

Vejam, até as prostitutas, chamadas de "profissionais do sexo" são contempladas por medidas para a oficialização de sua atividade e de seus direitos através do PNDH. O governo coloca em posição de dignidade a prática da prostituição, considerada uma "profissão" como qualquer outra. Ou seja, logo veremos jovens mulheres e outras nem tão jovens assim desejando entrar no mercado de trabalho nesta área.

É mais do que evidente que o retorno de Jesus Cristo a esta terra ocorrerá brevemente. O aceleramento e crescimento do pecado aponta para este fato: Breve Jesus voltará. É hora de a Igreja mais do que nunca trabalhar em prol da divulgação do verdadeiro EVANGELHO. Evangelho de Jesus que liberta, que remove o pecado da vida do ser humano, que lhe devolve a dignidade.

Que o Senhor guarde o Seu povo neste dias difíceis. Que nosso testemunho seja fiel.

"E a vós que sois atribulados, descanso conosco, quando se manifestar o SENHOR Jesus desde o céu com os anjos do seu poder,
Como labareda de fogo, tomando vingança dos que não conhecem a Deus e dos que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo;
Os quais, por castigo, padecerão eterna perdição, ante a face do Senhor e a glória do seu poder."

2 Ts 1.7-9

Eu te conclamo: Pense nisto.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Projetos de lei contra Deus e Sua Palavra - I

Se você que serve a Jesus Cristo, ainda não acordou para a realidade de que realmente estamos nos últimos dias que antecedem Seu glorioso retorno, deve prestar bastante atenção sobre o que está acontecendo hoje no Brasil. O atual governo petista tem sido pródigo em formular leis que, se aprovadas, farão com que seja posta uma mordaça na Igreja do Senhor. São projetos que afetarão nossa vida de fé. A coerção da lei cairá com força sobre todos os legítimos crentes em Jesus. Com o lançamento pelo presidente Lula do Programa Nacional de Direitos Humanos (PNDH) no dia 21 de dezembro de 2009 em forma de decreto presidencial (7.037/09), teremos em nosso país, caso seja aprovado, uma inversão de valores e o direcionamento mais incisivo para o futuro governo mundial anticristão conforme a palavra profética (Ap 13.7; Dn 7.25).

O atual governo, com o PNDH, conspira contra a sociedade, o estado de direito e particularmente contra a genuína fé cristã. A política econômica deste governo é admirada por outros países. As conquistas sociais são celebradas até por quem está em outro espectro ideológico. Mas os caciques petistas desejam amordaçar o livre trânsito de ideias no Brasil com a censura à imprensa, bem como pretendem implantar a chamada democracia direta com a implantação de iniciativas legislativas diretas como plebiscitos, referendos, leis de iniciativa popular e veto popular. Se isso for aprovado em lei, será na prática uma substituição das prerrogativas do Congresso Nacional. Diminui-se assim o conceito de democracia representativa e valoriza-se o conceito de democracia participativa e plebiscitária. Esta visão é defendida por ideólogos de esquerda e utilizados em países como Venezuela, Bolívia e Equador. Isto pode levar a um governo ditatorial com o passar do tempo.

A Constituição Federal já é alvo de descumprimento porque este governo pretende beneficiar amplamente os criminosos do MST em suas invasões. Com isto, o conceito de propriedade privada previsto no CF (art.5,XXII) será relativizado. A abolição da propriedade privada está implícita na expressão “novos anteparos jurídicos para mediar os conflitos de terra.” Será então retirada da Justiça a prerrogativa de expedir mandados de reintegração de posse em terras invadidas e será criado um órgão que “mediará” o conflito e “regulamentará” a reintegração de posse e isto é, na prática, a relativização do direito de propriedade.

Veja agora você mesmo vários outros projetos além do PNDH que já tramitam em Brasília:

1- Projeto de Lei 104/03 – trata sobre poluição sonora, mas busca fechar as igrejas por problemas com o som.

2- Projeto de Lei 952/03 – estabelece que sejam crimes os atos religiosos que possam ser considerados abusivos à boa-fé das pessoas. Os pastores serão considerados “criminosos” por ensinarem sobre dízimos e ofertas.

3- Projeto de Lei 1.154/03 – proíbe a veiculação de programas que o teor seja considerado “preconceito religioso”. Se aprovado será considerado crime pregar sobre idolatria, feitiçarias e rituais satânicos. A verdade sobre esses atos contrários à Palavra de Deus não poderá ser mais mostrada.

4- Projeto de Lei 299/99 – se aprovado, vai limitar os programas evangélicos no rádio e na televisão para apenas uma hora por dia. O restante da programação não poderá ter cunho religioso.

5- Projeto de Lei 6.398/05 – apenas poderão fazer programas de rádio e televisão pessoas com formação superior em Jornalismo. A maioria dos pastores não poderia atuar no rádio e na televisão.

Outros fatos:

* Com o apoio irrestrito do atual Ministro do Meio Ambiente há uma tendência para um projeto de legalização das drogas. Querem tornar oficial a liberalização do uso da maconha;

* Na Bahia, o poder público autorizou a colocação de estátuas de orixás no Dique do Tororó a fim de que sejam realizados rituais e oferendas. Os animais mortos durante os sacrifícios estão causando um desastre ambiental;

* Proposta de alteração da Constituição (art. 5, VI) a fim de que sejam proibidos os cultos fora dos templos (ou seja, extinção do evangelismo de rua);

* Aprovação de votação por lista para que os evangélicos fiquem fora dos processos eleitorais, não podendo mais ocupar cargos públicos;

* Aprovar projeto que cobrará impostos das igrejas. O dízimo e a oferta do cristão estarão sujeitos a cobrança de impostos.

Já existe uma lei vigorando nacionalmente, a Lei 10.257/01 que quando os municípios a adotarem em seus Planos Diretores estabelecerá que apenas serão construídas as igrejas que tiverem a aprovação dos vizinhos num raio de 500 metros. Obviamente que esta lei dificultará enormemente a construção de templos evangélicos porque dependerá do consentimento dos moradores.

Na parte II deste post, discorrerei sobre o PNDH no que tange ao aborto e em relação à questão homossexual.

Espero que as informações constantes nesta postagem levem você, crente em Jesus, a refletir e principalmente orar muito a favor da obra de Deus em nossa nação. O inimigo, naturalmente, tudo fará para obstar o avanço do Evangelho.

Em tempo: Pense nisto!

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

A beleza e a glória da terceira idade


Na velhice irás à sepultura, como se recolhe o feixe de trigo a seu tempo.”

Jó 5.26

Sem generalizações, a sociedade ocidental, infelizmente, não tem valorizado aos seus idosos. A estima que o idoso tinha nos tempos bíblicos, é algo para todos nós pararmos e refletirmos, porque expressa a vontade de Deus para aqueles que estão, como diz o versículo supra como “um feixe de trigo a seu tempo.”

É notório nas Escrituras, como Israel dava valor à sabedoria e experiência acumulada dos mais velhos. Havia uma confiança de que os idosos repassariam ensinamentos aos mais novos no sentido de que estes permanecessem no caminho certo, nos procedimentos adequados à vida, que lhes conferiria estabilidade e solidez. Vemos como Moisés aceitou a sábia orientação de seu sogro Jetro no tocante à administração dos conflitos entre os israelitas (Êx 18). O respeito aos idosos estava bem alicerçado na lei. No Decálogo está escrito que aqueles que honrassem pai e mãe viveriam muito tempo sobre a terra (Êx 20.12). Casando-se o israelita, ainda assim esperava-se que continuasse a respeitar a seus pais como fazia enquanto solteiro.

Não há dúvida da alta consideração e respeito que os anciãos desfrutavam. Moisés indicou 70 homens para serem juízes da nação (Nm 11.16-30). Quando o povo estabeleceu-se em Canaã, os habitantes de cada cidade elegeram anciãos para que fossem os governantes dos territórios. Estabelecida a monarquia, passam os anciãos a funcionar como um corpo legislativo. Em todo o decorrer da história judaica, eles tornaram-se um elemento de coesão, os israelitas sobreviveram ao exílio em Babilônia porque tanto lá como retornando à terra de seus pais, eles, os anciãos, muitas vezes tomavam a dianteira em muitas situações.

No período do ministério de Jesus, existia o Sinédrio composto de anciãos dentre os saduceus e fariseus, legislavam sobre questões religiosas e exerciam poder até mesmo em algumas áreas da vida civil. Também a Igreja em seus princípios, demonstrou o devido respeito pelos idosos. A palavra presbíteros que se encontra em At 14.23 é a transliteração de um vocábulo grego “presbuvteroi” e significa “anciãos”. O apóstolo Pedro em sua primeira epístola 5.5 roga que os mais jovens se submetessem aos presbíteros, ou seja, aos anciãos. O que realmente importava tanto no AT como no NT não era tanto a idade mas sim a sabedoria, tanto é que no livro de Eclesiastes 4.13 está escrito que é melhor um jovem sábio do que um velho insensato.

De forma geral, as sociedades do oriente à semelhança dos judeus (p. ex. chineses, japoneses, coreanos, dentre outros) veneram aos mais velhos como depositários da sabedoria que foi passada de geração em geração. Portanto, nós que muitas vezes atribuímos á palavra velho o epíteto de algo atrasado, anacrônico, fora de moda, deveríamos ter o necessário discernimento para entender que a sabedoria acumulada das experiências de vida das pessoas avançadas em idade, não deveria ser posta de lado, mas sim ser devidamente considerada. E na grande maioria das vezes penso que eles desejam sim ajudar-nos com sua experiência que, repito, não deveria ser menosprezada.

A velhice era aceitada entre os hebreus como sinal de dignidade. Em Provérbios 20.29 os cabelos brancos são considerados a beleza dos anciãos. E em 16.31 as cãs, ou seja, os cabelos brancos eram tidos como uma coroa de honra. Mas a mesma passagem argumenta de que seriam assim considerados desde que aquela pessoa idosa andasse em justiça, andasse nos retos caminhos do Senhor.

Não tenho medo da velhice. Pela graça de Deus tenho 45 anos e sei que estou pouco a pouco caminhando para a o espaço das pessoas da terceira idade, se assim o Senhor permitir. Gostaria de acertar cada vez mais e errar cada vez menos. Para isso, estarei observando diuturnamente a Palavra de Deus (Sl 119.97). O verso 100 deste mesmo Salmo é vertido assim na Almeida Séc. 21: “Sou mais instruído do que os anciãos, pois tenho guardado os teus preceitos. Evidentemente que não é porque alguém é avançado em idade que significa que ele anda em justiça, que possui sabedoria de vida. Nem sempre isto é verdadeiro, infelizmente.

Existirá glória e beleza na terceira idade somente para aqueles que permanecerem firmes e constantes nos caminhos do Senhor. É isto que almejo para mim. E quanto a você, seja de que idade for, já refletiu sobre isso?

Creio que você possa fazer isto agora. Não deixe de respeitar e amar aos idosos em seu redor. Quanto a si mesmo, labute em Deus desde já para ter glória e beleza em sua idade avançada (se o Senhor lhe permitir que chegue lá). Pense nisto.

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Hedonismo, marca registrada de nossos dias

A palavra de ordem é: prazer. O negócio é curtir. É ter prazer em toda situação e a todo momento. É marca registrada de nossa geração. A sociedade de entretenimento existe exatamente para entronizar a deusa do prazer. Falando francamente, todos nós almejamos o prazer imediato. Não curtimos esperar. Esperar é sofrer. O lance é o agito e a gratificação prazerosa. E instantânea.

A sociedade é realmente voltada para a busca do prazer imediato. O problema é que a ideia do prazer a qualquer custo tem sérias implicações. A sociedade contemporânea está moralmente falida em grande parte porque vive para o prazer - custe o que custar.

Temos um exemplo neste período de carnaval que está a terminar. As pessoas buscam divertir-se. Há um aspecto lúdico em sua natureza. Não há mal algum nisto. Mas quando, contrariando a vontade de Deus, o ser humano procura a gratificação carnal, o prazer sexual ilimitado e fora dos padrões determinados pelo Senhor, a embriaguez e a glutonaria, cresce na mesma medida a sua falência moral. Segundo o dicionário Aurélio, hedonismo é a doutrina que considera que o prazer individual e imediato é o único bem possível, princípio e fim da vida moral. Vive-se somente para satisfação dos instintos.

O empresário corrupto, o político sem escrúpulos e o traficante de drogas se igualam no que concerne à busca de sua gratificação pessoal. Se o prazer, traduzido em termos de poder, prestígio, glória e privilégios pessoais depende da desgraça de inúmeras pessoas, para eles isto absolutamente não lhes interessa. O que vale é que seus lucros estejam sendo computados, não lhes importando o prejuízo de tantas e quantas pessoas.

Caminhamos para uma situação de glorificação máxima do ego e do prazer pessoal. O anticristo personificará perfeitamente o hedonismo porque ele não terá misericórdia de ninguém, seu alvo é o poder universal. E, segundo a palavra profética, ele conseguirá o enaltecimento máximo de seu ego no trono do mundo.

Quem acredita que viver é satisfazer plenamente seus prazeres colherá mais cedo ou mais tarde os frutos desta infeliz filosofia de vida. Desmoralização, prisão, solidão, doenças, morte prematura, o afastamento de Deus agora e na eternidade, são as consequências naturais deste estilo de vida.

O crente em Jesus Cristo possui uma compreensão diferente acerca do prazer como valor. A vida é entendida como benção divina que deve ser recebida com alegria e vivida com sabedoria. Conduta ética e consciência espiritual juntam-se para suscitar a responsabilidade diante da existência pessoal de cada ser humano diante do Criador. O cristão é aquele que jamais desfrutará de um prazer que venha a prejudicar a outro ser humano. Sua consciência está apegada e moldada pela Palavra de Deus, portanto, seu senso de valores está num patamar superior onde o hedonismo cede lugar ao altruísmo para que assim o nome do Senhor seja glorificado (1 Co 10.31).

Cristão, não seja como a multidão ao redor (mesmo que seja multidão de cristãos) : fuja do espírito desta época hedonista. O bem supremo da vida não é a satisfação de prazeres, posto que efêmeros, mas sim, o bem supremo, para nós seguidores de Cristo Jesus é agradar a Deus em tudo, vivendo em santidade em meio a esta sociedade corrupta e corruptora até "o aparecimento da glória do grande Deus e nosso Salvador Jesus Cristo" (Tt 2.13b).

Não é pecado termos momentos prazerosos, saírmos da rotina, passearmos com a família ou o happy-hour que ajuda a descarregar as tensões acumuladas durante a semana. Entretanto, procurar viver meramente para gratificação de prazeres, fazendo disto um modo de vida, não se coaduna com a postura de alguém que conheceu a Jesus Cristo e procura seguir-lhe os passos.

Há um prazer inigualável em ser um fiel servo de Deus. Os prazeres mundanos não se lhe podem comparar. Hoje ainda, pare e pense nisto.

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Necessário se faz superar os fracassos

Os fracassos na vida do ser humano são inevitáveis. É necessário preparar o indivíduo desde sua mais tenra idade para encarar esta verdade. Os pais tem um papel importante neste aspecto, cabe a eles esta tarefa de ensinar como enfrentar os revezes que ocorrerão na trajetória de vida de seu filho. Devem ensiná-lo a enfrentar adequadamente cada situação.

Quando encontra-se alguém que não recebeu esta instrução, pode-se constatar muitas vezes um duplo sofrimento: pelo fracasso em si e pela reação inadequada que porventura tenha demonstrado. Cada homem e cada mulher tem suas próprias idiossincrasias, isto é, sua reação peculiar, própria, ante os percalços da vida. Portanto, é fundamental saber reagir adequadamente, respeitadas as singularidades de cada pessoa.

Na verdade, poucas pessoas apresentarão alguma eficácia no tocante à reação diante de perdas que tenha sofrido. Isto porque, o pecado afetou a natureza humana de tal forma que temos a inclinação para fracassarmos em muitos aspectos da vida e reagir diante disto de forma inadequada. A inadequação pode ser oriunda exatamente de uma educação errada, uma criança que é ensinada de que sempre vencerá na vida, de que não pode de forma alguma ser derrotada, de que o fracasso é para os outros, não para ela. O ensinamento para aquela criança, adolescente ou jovem é de que é imbatível, insuperável, olimpicamente pairando sobre todos os demais “meros mortais”.

O fracasso pessoal faz parte de nossa constituição, enquanto seres decaídos. Ou seja, fazem de fato parte da vida de todos nós. O ensino dos filhos deve pautar pelo equilíbrio, nem ensinar o derrotismo, o desânimo ante as dificuldades, nem insuflando uma mentalidade de “superman”, imbatível, indestrutível.

O Evangelho apresenta essencialmente a realidade inescapável: sofreremos fracassos enquanto seres decaídos que somos. Jesus mesmo disse em Jo 16.33: Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo.” Estas aflições podem envolver situações de derrota, de fracasso, mas nesta palavra, o Senhor Jesus diz que devemos ter bom ânimo, mesmo ante o fracasso que tenhamos sofrido. A vitória que Ele conseguiu na cruz do Calvário, derrotou o mundo, derrotou o diabo. Os sentimentos depressivos, desanimadores que podem advir de uma queda que tenhamos tido, já perdem seu efeito deletério diante do poder que emana do Calvário, aleluia!

É desejo do Senhor que superemos os efeitos do fracasso. Muitas vezes, Deus não evita uma queda nossa porque Ele sabe que ali estará uma excelente oportunidade de fazer com que amadureçamos nossa fé. Há sabedoria em considerarmos o seguinte: 1) Temos uma natureza decaída, por isso muitos fracassos poderão acontecer em nossa vida mesmo sendo já crentes em Jesus (1Jo 2.1); 2) Reconhecendo isto, passamos então a entender melhor a graça de Deus, sendo inteira e completamente dependentes desta graça (2 Co 12.9); 3) Consequentemente, a paz de Deus, que excede todo entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos em Cristo Jesus” (Fp 4.7).

O homem pode cair e algumas vezes inevitavelmente cairá, falhará, pecará, mas Deus levanta o homem. Ele não precisa ficar prostrado: Ainda que caia, não ficará prostrado, pois o Senhor o sustém com a sua mão” (Sl 37.24). O Senhor, unicamente Ele, é o seu amparo. Nosso Deus não cobra de nós perfeição mas sim santidade (Lv 19.1; 1 Pe 1.15,16). Em Cristo sim, somos perfeitos (Cl 1.28; Ef 4.13). Nunca por nós mesmos.

Esta reflexão que faço abrange também a Igreja do Senhor. O Corpo de Cristo tem fracassado porque é constituído de pessoas falíveis e pecadoras. Mas, da mesma maneira que o indivíduo,que deve aprender a lidar com suas derrotas à luz do que diz a Palavra de Deus, assim também deve ser a Igreja. Hoje, o Espírito Santo continua a falar incessantemente, para que esta supere seus fracassos, suas derrotas, suas ambiguidades, seus pecados e continue, pela graça de Deus a missão no mundo o qual Deus a comissionou (Jo 17.18).

Seja para o crente, individualmente, seja para a Igreja como comunidade dos redimidos, deve-se aprender a lidar com os fracassos. Você já está fazendo assim? Se não, é hora de pensar sobre isto.

Porque todo o que é nascido de Deus, vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo, a nossa fé. Quem é que vence o mundo, senão aquele que crê que Jesus é o Filho de Deus?”

1 Jo 5.4,5

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Carnaval: As dores da festa

Brasil país do carnaval! é assim que muitos consideram nosso país lá fora. Ainda se cultiva a imagem de nosso país como um luxurioso paraíso tropical em uma eterna folia, com pessoas sorridentes e felizes o ano inteiro pelo país.

Mas todos nós sabemos que não é bem assim. No carnaval de hoje, nem um décimo do povo participa hoje ativamente, o que não ocorria em sua época de ouro, fins do século 19 e a década de 1950. Hoje o carnaval é mais para ser visto, paga-se para ver. O Brasil tornou-se a vanguarda destes festejos popularescos de origem incerta. Provavelmente suas raízes se encontrem na antiga Grécia com festejos que honravam a colheita, passando pela Roma dos césares nas famosas saturnálias de caráter orgíaco e num festival primitivo pagão que homenageava o início do Ano Novo e o ressurgimento da natureza. O povo da antiguidade sempre comemorava com muita alegria e folguedos os atos de comer e beber indispensáveis à existência. O entrudo português trazido para o país no início do século 18, foi a matriz para o carnaval brasileiro onde as pessoas jogavam umas nas outras ovos, farinha e água. O entrudo ocorria num período anterior à quaresma e tinha um significado ligado à liberdade. E este sentido permanece até hoje no carnaval.

A linha que seguimos, desda a antiga Grécia aos dias de hoje, sempre teve um conteúdo de pecado, sensualidade e violência. Festejos populares sempre tiveram este conteúdo, quer seja na antiguidade quer hoje. Mas o que nos parece na presente época é que tem aumentado grandemente os excessos libidinosos do ser humano. A sexualidade deformada, contrária à Deus e que promove o aviltamento do homem e da mulher, é aumentada no período carnavalesco.

Como uma festa tipicamente da carne, o carnaval é pródigo em produzir índices alarmantes de gravidez indesejada, violência e mortes. O código que rege esta festa francamente diabólica é a “carne vale” no sentido etimológico da palavra carnaval, ou seja, o que vale realmente é a soltura dos desejos baixos e libidinosos do coração humano, valendo realmente fazer tudo o que o coração carnal desejar. A prioridade nestes dias são os prazeres da carne de forma livre e irresponsável.

Uma festa da carne. Uma festa dos sentidos. E hoje com a espetacularização que a mídia proporciona, a festa adquiriu um brilho muito grande. O homem satisfaz seus apetites sem sair de casa. Tudo pelo seu prazer e bem estar.

Mas há um Deus no céu a contemplar tudo isto. A contemplar os preparativos feitos para a festa, o dinheiro gasto com tanta coisa vã e abominável aos Seus olhos. O profeta Habacuque disse: “Tu és tão puro de olhos, que não podes ver o mal, e a opressão não podes contemplar” (Hc 1.13a). O Senhor certamente tem um propósito em permitir tanta vanglória e tanta permissividade. O Espírito Santo creio, profundamente toca nos corações de muitos nestes dias porque muitos há que se afundam nos desvarios carnais e chegam à depressão e até ao suicídio. Mas Jesus pode e quer resgatar a todos.

Há um texto que não posso deixar de apresentar porque leva-me a uma profunda reflexão sobre o carnaval e o juízo divino. É Isaías 24.8-12: “O ressoar dos tamboris parou, o barulho do povo em festa cessou, e a alegria da harpa acabou. Já não bebem vinho ao som das canções; a bebida forte é amarga para os que a bebem. A cidade de folias está destruída; todas as casas estão fechadas, de modo que ninguém pode entrar. Gritam nas ruas por falta de vinho; toda alegria acabou; o prazer da terra se foi. A cidade ficou toda destruída, e as suas portas, arruinadas” (Almeida Séc. 21). Este texto chama a atenção exatamente porque contém elementos do carnaval, como pode se perceber nas palavras tamboris, folias e nas expressões barulho do povo em festa, prazer da terra. É isto exatamente que temos no carnaval em nosso país. Mas que um dia irá irremediavelmente terminar porque o Senhor trará juízo à terra conforme esta palavra profética.

Assim, a festa acabará em dores. Aqueles que viveram uma vida inteira entregues aos prazeres mundanos do carnaval, se não encontrarem a Jesus, sofrerão com os juízos vindouros que o Senhor trará a esta terra na grande tribulação. A festa acabará, a cidade de folias está destruída! Juízo é o que espera a todos que vivem hoje de maneira contrária aos propósitos de Deus.

Se é essa a sua situação, saiba que você não está lendo estas palavras à toa. É porque o Senhor do universo te ama.

Um dia a alegria da festa acabará e as dores virão. Enquanto há tempo, considere mudar a sua vida aos pés de Jesus. Por favor, pense nisto.

sábado, 6 de fevereiro de 2010

A graça de Deus ainda com a cara da lei

A evangelização no Brasil foi muito mais intensa nos idos do século 20. Reputo à Assembléia de Deus o privilégio de ser a igreja evangélica que mais intensamente evangelizou nossa nação desde sua fundação em 1911. Pela graça de Deus, rapidamente alcançou muitas localidades em nosso país por causa do mover do Espírito, impulsionando homens e mulheres com reputado destemor. Amo ouvir as histórias várias de nossos pioneiros a desbravar lugares estéreis espiritualmente mas que, todavia, através de árduo labor, vicejaram as sementes abençoadoras do Evangelho de Cristo. Por via deste trabalho admirável, muitas almas ouviram a bendita mensagem que pôde salvar suas vidas e transformá-las para sempre.

Gostaria de ter ouvido também que juntamente com o fervor evangelístico, houvesse um igualmente denodado esforço para que o doutrinamento bíblico-teológico do assim chamado “crente assembleiano”, desde seus primórdios, fosse caracterizado por um aprofundamento nos conteúdos bíblicos que não só lhe desse firmeza como discípulo de Cristo como pudesse fazer com que pudesse refletir sua fé no contexto em que vivia. Mas infelizmente, com o passar dos anos, um legalismo de usos e costumes caminhou lado a lado com a sã doutrina. A tal ponto que, a chamada “sã doutrina”, em muitas congregações da AD pelo Brasil afora, é confundido com os “usos” e os “costumes”. Sabe-se do esforço de muitos dedicados pastores e obreiros para separar a verdadeira doutrina bíblica daquilo que é puramente doutrina de homens, mas são inúmeros os ensinadores e líderes que inconsciente (por falta de um real e verdadeiro conhecimento bíblico) ou propositadamente (aí teríamos um problema moral, sabem o que é verdadeiro mas pregam erroneamente por interesses escusos) ainda pregam ou ensinam uma mensagem que impõe um pesado jugo aos crentes em Cristo.

Jesus em suas altercações com os fariseus e doutores da lei, foi rigoroso em condenar o formalismo, o tradicionalismo e o legalismo que religiosamente praticavam. O Senhor não deixou por menos em falar claramente o que eles faziam, porque ensinavam suas doutrinas humanas, impondo um pesado jugo sobre o povo, impondo seu ponto de vista pessoal, sem se importar com a veracidade da Palavra de Deus (Mt 23). Nossa querida e amada AD também, por causa de alguns líderes desde sua fundação e até hoje, ainda “coam um mosquito e engolem um camelo”. Ainda fazem muito alarde por questões secundárias onde nem Jesus, nem Paulo e nenhum dos outros apóstolos fez menção alguma.

Acredito que o crente, seja ele de que denominação for, tem a Bíblia e o Espírito Santo para guiá-lo, estando estes elementos intrinsecamente interligados (Jo 14.26). Se houverem excessos, o pastor, o líder, pode sim ensiná-lo a manter-se em padrões biblicamente aceitáveis (1Co 10.31). Por ser a natureza humana como é, sempre poderão ocorrer desvios daquilo que agrada a Deus. Tanto no crente que está procurando agradá-lo, como em seu líder ou pastor que pode impor-lhe seu próprio ponto de vista humano e falível.

Por isso sou amante do verdadeiro ensino bíblico. Amo a Escola Bíblica Dominical, como uma excelente ferramenta para, desde a mais tenra idade, ensinar o conteúdo bíblico, ensinar verdadeiramente e tão somente a Palavra de Deus e nada mais. Também de igual importância, amo os cultos onde se ensina com propriedade a doutrina eminentemente bíblica. Onde, ao se expor a doutrina bíblica não se tem lugar para opiniões humanas. Igualmente amo pregações que tragam à lume a verdadeira mensagem do Senhor. Mensagem essa que salva e transforma. Que ilumina e fortalece. Que sustenta e anima a todo ouvinte, quer seja salvo ou não.

Tenho respeito por todos os pastores e líderes veteranos que ainda labutam em nossas igrejas em todo este imenso país. Mas nós temos que deixar claro que somente a Bíblia é a Palavra de Deus. O resto é opinião humana. Não só as Assembléias de Deus tem uma posição conservadora e firme em relação à Bíblia. Outras denominações também. Mas todas elas, assim como a AD, escorregaram e escorregam em questões de somenos importância. Eu, como parte do Corpo de Cristo também me incluo neste rol de entendimentos errados sobre a Palavra de Deus. Mas sempre o Senhor nos concede a graça da correção. Correção com amor, porque creio que o maior interesse de Deus é que muitos ainda venham a conhecê-lo e tenham um crescimento sadio balizados unicamente por Sua Palavra revelada.

Isto é a graça de Deus. Que opera em nossa justificação, onde não há mérito humano nenhum. Somos aceitos por Deus sem a guarda da lei, mas pela fé em Jesus Cristo somente. Assim somos justificados diante de Deus Pai. Que a igreja evangélica no Brasil pregue somente a graça. Porque a graça pregada neste país teve e ainda tem muitas vezes a cara da lei.

O que me deixa apreensivo é que Jesus Cristo veio para libertar o homem do jugo do pecado e da lei (Lc 4.18,19; Gl 5.1) mas este homem, salvo por Cristo, fica preso com outro tipo de jugo, o jugo dos mandamentos humanos (Mt 15.3,6; Gl 2.16).

Se você é salvo pela graça de Deus, pense nisto.

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

A vontade do homem e a vontade de Deus

Interessante pensarmos que o homem realmente possui livre arbítrio. Sei que alguns amados irmãos calvinistas não concordarão com muitas de nossas asseverações, mas eu creio, conforme nosso entendimento da Palavra de Deus, que o homem, por causa de sua livre vontade, tem o poder de recusar em fazer a vontade perfeita de Deus.

A vontade de Deus em relação a toda a criação, é inteiramente absoluta. Sua vontade é obedecida sempre. Todavia, no tocante ao homem, por ter lhe dado vontade própria, nem sempre a vontade perfeita de Deus é considerada e obedecida. O homem é um ser moral e um ser livre. Por causa do mau uso de sua livre agência, agora o ser humano contrapõe sua vontade à vontade de Deus.

Para alguns, parece que o grande Deus se limitou ao criar o homem com livre arbítrio. Devemos considerar que o único ser moral de toda esta vastíssima criação é o homem (não considerando a criação angelical, porque estamos nos reportando ao mundo físico). A Bíblia diz que ele é a coroa da criação (Sl 8.5-8). Ao criar um ser moral, imagem e semelhança d’Ele mesmo, Deus maravilhosamente descortina um horizonte amplo onde pode se revelar.

A sabedoria de Deus foge ao nosso entendimento. Sabia Ele que Adão e Eva usariam erroneamente sua liberdade. Poderia o Senhor de toda a terra, limitar o primeiro casal a obedecer-Lhe como se fossem animais de estimação sob pleno domínio de seu dono. Maravilhosamente contudo, Deus demonstra Sua bondade ao criar-nos visando que em atitude de plena voluntariedade O servíssemos conscientemente.

Absolutamente não estamos falando de um Deus arbitrário, ciumento, castrador, violador ou egocêntrico. Falamos de um Deus de amor que criou seres parecidos com Ele mesmo com os quais deseja relacionar-se. E para isso, não poderia ser de outra maneira que o homem tivesse de ser criado. O livre arbítrio é essencial na constituição humana, pela maneira como o homem foi criado e pelos propósitos elevados que o Criador tem para ele.

Deus é soberano? Sim, certamente (Is 43.13). Sendo assim, o domínio do Criador é sobre toda Sua criação sem exceções? Depende. Ao homem Ele mesmo concedeu vontade própria. Por isso pode ser contrariado. Pode ser desobedecido. Isto faz Deus menor em poder, em domínio, em onipotência? Não, de forma alguma. Também a desobediência do homem faz parte dos desígnios divinos.

Ficará demonstrada um dia amplamente para toda a vastidão de Seu reino – e aí incluo também os seres angelicais, quer bons,quer maus, que os seres humanos que escolheram adorá-Lo, serví-Lo, amá-Lo, o fizeram de livre e espontânea vontade, no pleno uso de seu livre arbítrio, sem qualquer coação daquele que os criou e os redimiu do pecado por meio de Seu próprio Filho. Este trabalho de Deus, em atrair a Si mesmo todos os que desejarem, sem nenhuma violação de vontades, é um trabalho que incessantemente agora mesmo ocorre e desde quando, no jardim Ele disse para Adão “onde estás?”

A vontade de Deus é que todos O conheçam, porque conhecê-Lo é vida eterna (Jo 17.3). Porque Ele não quer que nenhum dos seres que criou se percam (2Pe 3.9). O resgate do homem por meio do Cordeiro de Deus, Jesus Cristo, é um resgate do mau uso da vontade livre do homem. Em amor, agora, por meio de Seu Espírito, Ele continuamente persuade o homem para que se arrependa.

Vontade de Deus e vontade do homem. Soberania e livre arbítrio. Soberana e graciosamente Deus está agindo para salvar os seres humanos do pecado. Estes seres humanos podem aceitar ou podem rejeitar o amoroso toque do Espírito de Cristo. Porque somos todos seres livres. Eu escolhi aceitar o favor imerecido de Deus para mim, a salvação por meio de Jesus Cristo.

Se é esse o seu caso, amém. Porém, se você ainda não rendeu sua vontade à vontade de Deus, boa, perfeita e agradável, não menospreze isto. Ele não forçará Sua vontade sobre você, mas aguardará sua decisão diante da oferta do Evangelho.

Não faça uma escolha errônea. Não use mal sua vontade própria. Pare e pense sobre isso.