quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

A beleza e a glória da terceira idade


Na velhice irás à sepultura, como se recolhe o feixe de trigo a seu tempo.”

Jó 5.26

Sem generalizações, a sociedade ocidental, infelizmente, não tem valorizado aos seus idosos. A estima que o idoso tinha nos tempos bíblicos, é algo para todos nós pararmos e refletirmos, porque expressa a vontade de Deus para aqueles que estão, como diz o versículo supra como “um feixe de trigo a seu tempo.”

É notório nas Escrituras, como Israel dava valor à sabedoria e experiência acumulada dos mais velhos. Havia uma confiança de que os idosos repassariam ensinamentos aos mais novos no sentido de que estes permanecessem no caminho certo, nos procedimentos adequados à vida, que lhes conferiria estabilidade e solidez. Vemos como Moisés aceitou a sábia orientação de seu sogro Jetro no tocante à administração dos conflitos entre os israelitas (Êx 18). O respeito aos idosos estava bem alicerçado na lei. No Decálogo está escrito que aqueles que honrassem pai e mãe viveriam muito tempo sobre a terra (Êx 20.12). Casando-se o israelita, ainda assim esperava-se que continuasse a respeitar a seus pais como fazia enquanto solteiro.

Não há dúvida da alta consideração e respeito que os anciãos desfrutavam. Moisés indicou 70 homens para serem juízes da nação (Nm 11.16-30). Quando o povo estabeleceu-se em Canaã, os habitantes de cada cidade elegeram anciãos para que fossem os governantes dos territórios. Estabelecida a monarquia, passam os anciãos a funcionar como um corpo legislativo. Em todo o decorrer da história judaica, eles tornaram-se um elemento de coesão, os israelitas sobreviveram ao exílio em Babilônia porque tanto lá como retornando à terra de seus pais, eles, os anciãos, muitas vezes tomavam a dianteira em muitas situações.

No período do ministério de Jesus, existia o Sinédrio composto de anciãos dentre os saduceus e fariseus, legislavam sobre questões religiosas e exerciam poder até mesmo em algumas áreas da vida civil. Também a Igreja em seus princípios, demonstrou o devido respeito pelos idosos. A palavra presbíteros que se encontra em At 14.23 é a transliteração de um vocábulo grego “presbuvteroi” e significa “anciãos”. O apóstolo Pedro em sua primeira epístola 5.5 roga que os mais jovens se submetessem aos presbíteros, ou seja, aos anciãos. O que realmente importava tanto no AT como no NT não era tanto a idade mas sim a sabedoria, tanto é que no livro de Eclesiastes 4.13 está escrito que é melhor um jovem sábio do que um velho insensato.

De forma geral, as sociedades do oriente à semelhança dos judeus (p. ex. chineses, japoneses, coreanos, dentre outros) veneram aos mais velhos como depositários da sabedoria que foi passada de geração em geração. Portanto, nós que muitas vezes atribuímos á palavra velho o epíteto de algo atrasado, anacrônico, fora de moda, deveríamos ter o necessário discernimento para entender que a sabedoria acumulada das experiências de vida das pessoas avançadas em idade, não deveria ser posta de lado, mas sim ser devidamente considerada. E na grande maioria das vezes penso que eles desejam sim ajudar-nos com sua experiência que, repito, não deveria ser menosprezada.

A velhice era aceitada entre os hebreus como sinal de dignidade. Em Provérbios 20.29 os cabelos brancos são considerados a beleza dos anciãos. E em 16.31 as cãs, ou seja, os cabelos brancos eram tidos como uma coroa de honra. Mas a mesma passagem argumenta de que seriam assim considerados desde que aquela pessoa idosa andasse em justiça, andasse nos retos caminhos do Senhor.

Não tenho medo da velhice. Pela graça de Deus tenho 45 anos e sei que estou pouco a pouco caminhando para a o espaço das pessoas da terceira idade, se assim o Senhor permitir. Gostaria de acertar cada vez mais e errar cada vez menos. Para isso, estarei observando diuturnamente a Palavra de Deus (Sl 119.97). O verso 100 deste mesmo Salmo é vertido assim na Almeida Séc. 21: “Sou mais instruído do que os anciãos, pois tenho guardado os teus preceitos. Evidentemente que não é porque alguém é avançado em idade que significa que ele anda em justiça, que possui sabedoria de vida. Nem sempre isto é verdadeiro, infelizmente.

Existirá glória e beleza na terceira idade somente para aqueles que permanecerem firmes e constantes nos caminhos do Senhor. É isto que almejo para mim. E quanto a você, seja de que idade for, já refletiu sobre isso?

Creio que você possa fazer isto agora. Não deixe de respeitar e amar aos idosos em seu redor. Quanto a si mesmo, labute em Deus desde já para ter glória e beleza em sua idade avançada (se o Senhor lhe permitir que chegue lá). Pense nisto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário