quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Viver sem proibições, nosso secreto desejo e a proteção de Deus


Qual de nós, pecadores salvos unicamente pela graça de Deus, não somos tentados a lançar mão e usufruir daquilo que Deus expressamente nos proibiu em Sua Palavra? Quem pode dizer que nunca alimentou desejos secretos de provar o que não lhe é lícito fazer? Ainda que novas criaturas em Jesus, todavia, nossa carne ainda deseja ser alimentada. Cabe-nos resistir aos seus impulsos pelo poder de Deus.

Deus em Sua Palavra nos tem dado muitos mandamentos a serem observados. O bem que nos faz em obedecer é inigualável. Podemos e devemos pela graça do Senhor, guardar seus mandamentos, posto que não são pesados. E muitas destas ordenanças vão diretamente contra aquilo que mais ansiamos. A palavra "concupiscência" é sinônimo de "cobiça". Em 1 João 2.16 lemos: "Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo." Bem disse também o apóstolo Paulo em Romanos 7.19: "Porque não faço o bem que quero, mas o mal que não quero, esse faço." O que o nosso bom Deus teria em sua mente em proibir-nos de coisas que naturalmente desejamos?

Roubar é pecado. Mas, surrupiar aquilo que é de outrem, para alguns é irresistível. Falar mal de nosso semelhante, ou seja, a maledicência. Qual de nós já não teve uma incrível coceira na língua para nos levar a falar irresponsavelmente acerca de alguém?

Todavia, o que mais tem derrubado os filhos de Deus de sua posição privilegiada, são os pecados na área do casamento ou do sexo. Eu diria que as tentações nesta área tem um caráter ímpar. Mexem com aquilo que de mais prazeroso consideramos, o prazer carnal, sexual. Mas Deus orienta-nos em Sua Palavra de forma cabal e categórica: "Fugi da prostituição. Todo pecado que o homem comete é fora do corpo; mas o que se prostitui peca contra o seu próprio corpo" (1 Co 6.18). Um homem e uma mulher possuem uma natural "química" que os atrai mutuamente. Mas o Senhor, Criador de todas as coisas, ordenou que sejam satisfeitos nossos legítimos desejos sensuais na sagrada intimidade do casamento.

Satanás sabe disso muito bem e procura de todas as formas fazer com que os filhos de Deus caiam por seus próprios apetites. O sistema mundano que jaz no maligno (1 Jo 5.19) está devidamente aparelhado pelo diabo para atrair os incautos. A mídia vomita todos os dias suas produções carregadas de sensualidade procurando seduzir-nos com imagens inebriantes e corpos belíssimos. Cultua-se o corpo como nunca antes. Ele tem de estar em evidência. Nos alimentamos desta produção cultural e vamos ficando desnutridos dos valores eternos.

E cairemos neste fosso, neste lamaçal chamado prostituição se não nos cuidarmos e nisto com a ajuda do Espírito Santo. Sozinhos não conseguiremos. E sem a comunhão com outros cristãos igualmente andando na Presença de Deus, cairemos fatalmente.

Vejamos um pouco mais sobre os pecados na área sexual. Estas definições são de Mark Bubeck no livro O Adversário (Mundo Cristão):

1- Adultério (Mt 15.19; Mc 9.21). Refere-se aos pensamentos ou atos de imoralidade depois do casamento. O adultério brota de um desejo egoísta e carnal de gratificação física sem responsabilidade espiritual. Expressa rebeldia da carne contra a lei divina da pureza e ataca a santidade do casamento (Hb 13.4).

2- Fornicação (Mc 7.21). Este pecado da carne é a violação da lei moral de Deus antes do casamento. A fornicação provém do desejo carnal de gratificar os apetites sexuais sem a responsabilidade do casamento e sem a aprovação divina. Não há lugar ou desculpa para a fornicação o plano de Deus (1 Co 6.13,18).

3- Impureza (Mc 7.21). Este pecado da carne inclui uma extensa série de pecados morais. Pensamentos maus ou impuros, histórias sujas, desejos concupiscentes, o gosto pela pornografia ou o desejo de olhar figuras ou filmes impuros devem certamente ser incluídos. A impureza resulta do desejo carnal de gratificar o apetite sexual através dos pensamentos e palavras em conflito com a santa natureza de Deus e o plano divino.

4- Lascívia (Mc 7.22) Representa a prática de despertar desejos libidinosos que não podem ser satisfeitos dentro dos limites da aprovação divina. Há quem seja lascivo quanto à sua roupa, seu modo de falar (ou de escrever), seu modo de rir, seu sorriso, seus olhos, seus gestos físicos, sua modéstia, e assim por diante. Este pecado brota do desejo carnal de atrair a atenção para si de um modo que contradiz o padrão divino da pureza moral.

A chamada "liberdade sexual" nada mais é que uma prisão horrenda em que os homens e mulheres estão entregues e do qual não conseguem sair sem a ajuda poderosa do Onipotente. Por isso, o Senhor tão ciosamente orienta em Sua eterna Palavra, a todos que lhe derem ouvidos, que em obedecê-Lo só fará bem a quem assim o fizer. Se Deus nos proíbe o sexo pré-marital ou extra-marital é porque Ele sabe que estas práticas, posto que pecaminosas, não farão bem à nossa alma. Glorioso é o homem constatar que a proibição ou repressão de Deus, tem o condão de nos conduzir a "águas tranquilas de descanso" (Sl 23.2). Pelo contrário a "liberdade" de Satanás faz com que se cumpra a palavra de Isaías 57.20,21: "Mas os ímpios são como o mar bravo, porque não pode se aquietar, e as suas águas lançam de si lama e lodo. Não há paz para os ímpios, diz o meu Deus."

Com zeloso cuidado, alertamos uma criança para que não coloque sua mãozinha na tomada da parede ou nas pás de um ventilador. Assim Deus faz para conosco. Ele nos proíbe certas coisas porque nos ama imensamente e não deseja que pequemos contra a Santidade de Sua Augusta Pessoa. Veja o alerta que amorosamente fez ao rei Abimeleque quando este tomou para si Sara, esposa de Abraão, para que esta lhe fosse sua própria mulher. Em sonho o Senhor lhe disse: "E disse-lhe Deus em sonhos: Bem sei eu que na sinceridade do teu coração fizeste isso; e também eu te tenho impedido de pecar contra mim; por isso não te permiti tocá-la" (Gn 20.1-18). Leia todo o contexto para inteirar-se completamente do agir de Deus nas complicadas situações humanas.

Por isso, devemos conviver bem com as proibições que o Senhor nos faz. Ele nos ama. Somos seus filhos e devemos honrá-lo, obedecendo-lhe incondicionalmente. Para isso, necessário é que lhe rendamos nossa vida e tudo o que temos ou somos.

Não permita que o diabo roube o mais precioso bem que você, amado irmão ou irmã possui: a comunhão com Deus por meio da obra consumada de Jesus Cristo na cruz do Calvário e por intermédio do Espírito Santo. Não esqueça que foi exatamente por negar-se a obedecer à única restrição que o Criador lhe impôs, que Adão e Eva foram banidos da amorável presença do Senhor. Todavia, em que pese todo o prejuízo daí decorrente, Deus não deixou o homem sozinho, não deixou de tomar a iniciativa para resgatá-lo de sua queda. Buscou-o (Gn 3.9), providenciou vestes (Gn 3.21) e prometeu-lhes o necessário Salvador (Gn3.15).

Portanto, seja na área matrimonial ou sexual ou qualquer outra área de nossas vidas humanas e falíveis, deveremos ser gratos a Deus por cuidar de cada um de nós deixando-nos suas orientações quanto ao modo de agradá-Lo na Bíblia Sagrada. Você já louvou a Deus hoje por Sua bondade em cuidar de ti e pelos benefícios que Lhe tem dispensado? Ou você está remoendo-se em culpas, ou mesmo irado porque acha que Deus restringe sua vida? Experimente sair da proteção que te proporciona a obediência às leis divinas e você estará num buraco negro espiritual. É precisamente este o desejo de Satanás. Ele sabe muito bem que se conseguir fazer com que você desobedeça ao Senhor e caia em pecado, mais facilmente o escravizará e finalmente o destruirá. Suas intenções já foram denunciadas por Jesus, leia João 10.10.

Pense nisso e considere o seguinte: Não há vida abundante em Jesus se não deixarmos nossos pecados de estimação. Abandone-os, antes que seja tarde demais!


2 comentários:

  1. Sim, que o Senhor nos dê pureza.
    Um coração puro!
    Abraços mano!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado, para ti também amado, fica na Paz!

    ResponderExcluir