quarta-feira, 14 de julho de 2010

O evangelho enganoso e os crentes enganados


É interessante notar que o modus operandi do diabo não mudou com o decorrer dos séculos. No Éden, enganou a mulher ao distorcer as palavras que Deus pronunciara. É certo que a afirmação da mulher contribuiu ainda mais para que o engano diabólico fosse eficaz (Gn 3.1-7). Ali, Satanás definiu o padrão de como agiria contrário à Palavra de Deus pelos séculos vindouros. O apóstolo Pedro diz que os agentes humanos (falsos mestres ou doutores) do Inimigo, "...introduzirão encobertamente heresias de perdição, e negarão o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição" (2 Pe 2.1). Vejamos mais um exemplo da operação diabólica em adulterar a Bíblia que se encontra na passagem da tentação de Jesus. Note a falta de escrúpulos do Tentador ao promover a distorção do texto bíblico na presença de Seu próprio Autor (Mt 4.6 e Lc 4.9-12).

Satanás distorce e têm distorcido o Evangelho de Cristo. Seus agentes, demônios (1 Tm 4.1) e seres humanos (At 20.29, 30; 2 Pe 2.1-22; Jd 4), são incansáveis neste maldito empreendimento. Estas adulterações acontecem ou encobertamente, com sutileza, ou de forma totalmente escrachada. Verdade é que, desde o nascimento da Igreja de Cristo no dia de Pentecostes (At 2), ideias heterodoxas, estranhas à mensagem cristã tem em maior ou menor grau açoitado o rebanho de Nosso Senhor Jesus Cristo nestes dois milênios de história, porém hoje a agressividade dos ataques contra a fé e o incremento do engano é muito maior.

E o Inimigo, "brilhante" estrategista como sempre tem sido, aproveita-se das brechas da falta de conhecimento bíblico e de discernimento espiritual para conduzir alguns do rebanho de Cristo a pastos totalmente secos e sem vida. Ou consegue conduzir as enganadas ovelhas à fontes de águas, mas estas são inteiramente amargas. E não imaginemos que isto se dá através de grosseiras contrafações ao Texto Sagrado. A maneira mais eficiente de ação, posto que consagrada pelos séculos é a dissimulação, o mascaramento da Verdade, a sutileza e a artimanha bem orquestradas. Como dissemos, o Inimigo possui séculos de experiência neste mister (2 Ts 2.7).

O atual engano religioso realmente não tem precedente na história. A constatação ou percepção deste fato da parte dos verdadeiros cristãos, deveria levá-los à mobilização em prol da verdade do Evangelho. Paulo era um defensor desta Verdade: "É justo que eu me sinta assim a respeito de todos vós, pois estais em meu coração, já que todos sois participantes comigo da graça, tanto nas minhas prisões como na defesa e na confirmação do evangelho" (Fp 1.7 - Almeida Séc. 21). E o apóstolo Judas nos exorta a "...batalhar pela fé que uma vez foi dada aos santos" (Jd 3). Não se contempla aqui o comodismo ou a indiferença. Também não se aceita o argumento da "unidade" em detrimento da verdade do Evangelho. É em nome dessa enganosa "unidade" que o Evangelho tem sido diluído e descaracterizado cada vez mais. Não estamos a falar sobre coisas sem importância como usos e costumes humanos. Isto pode e deve ser negociado. O que falamos é sobre as verdades bíblicas, as doutrinas cristãs que são tão absolutamente importantes que, se cedermos, se negociarmos em um só ponto, perderemos todo o restante (Mt 5.17-20; Ap 22.18,19).

Neste ponto quero citar o reformador Martinho Lutero. Convencido pelo Espírito Santo da verdade do Evangelho, não tripudiou, não vacilou, não fez concessões. Ele não visava a uma enganosa unidade, uma falsa paz entre os cristãos em detrimento da verdade bíblica. O que Lutero objetivava era a todo custo levantar bem alta a bandeira do verdadeiro Evangelho. E nisto ele foi vitorioso. Colocou-se a favor da sã doutrina e contrariou o status quo vigente, não sem um custo para si, sofrendo o risco de perder sua própria vida, mas o Jesus dos Evangelhos, Ele mesmo, o preservou. E assim ficou bem delimitada na história da Igreja cristã a verdade e o erro, a doutrina cristocêntrica e a doutrina antropocêntrica, o verdadeiro Evangelho e o falso evangelho (Gl 1.6-9).

Acredito que Deus pode operar hoje como operou nos dias da Reforma Protestante. Lutero, Calvino, Zwinglio e demais reformadores se pudessem contemplar o que está sendo feito com o Evangelho.... . Práticas medievais estão novamente na ordem do dia e sincretismos inacreditáveis também. Tentam contextualizar a mensagem e com isso a deformam. E ainda posam como legítimos representantes, autênticos embaixadores de Jesus Cristo. Na verdade visam mesmo é o lucro (1 Tm 6.5). O crente pode defender-se com a Graça de Deus, com o discernimento concedido pelo Espírito Santo desde que ele se aproprie da verdade bíblica mediante leitura, meditação e estudo.

Nossos tempos se caracterizam pelo engano. Nunca foi tão necessária a cautela e a prudência no que tange ao que lemos e ouvimos. Quando indagado pelos discípulos sobre o sinal de Sua vinda e o fim do mundo (Mt 24.3), Jesus respondeu dizendo-lhes: "Acautelai-vos, que ninguém vos engane. Porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo; e enganarão a muitos"; "E surgirão muitos falsos profetas e enganarão a muitos"; "Porque surgirão falsos cristos e falsos profetas, e farão tão grandes sinais e prodígios que, se possível fora, enganariam até os escolhidos" (Mt 24.5, 11, 24). Vejam com que grande destaque o Senhor lhes fala abertamente sobre o surgimento de enganadores nos tempos imediatamente anteriores à Sua Segunda Vinda. Presentemente somos testemunhas destas palavras de Jesus porque a cada dia surgem, de fato, falsos cristos, falsos profetas e falsos ensinadores da Bíblia, distorcendo a sã doutrina e enganando os crentes incautos.

Por toda a Terra multiplicam-se os enganadores e multiplica-se o falso evangelho. Isto é cumprimento da Palavra de Deus para estes últimos tempos. Urge que a verdadeira Igreja de Jesus Cristo, os verdadeiros cristãos, oponham-se tenazmente a todo engano. Sem acordos, sem conchavos, sem concessões de qualquer espécie. Ainda que seja mal-visto, tido como pertubador da "paz" e da "unidade" entre as igrejas ou denominações cristãs, o crente em Jesus, ciente do Deus que serve, cônscio de Sua soberana Vontade exarada nas páginas do Antigo e Novo Testamento, pode perfeitamente continuar em sua missão nesta vida até que o Senhor o chame, ou conservá-lo com integridade até o Dia de Sua vinda gloriosa (1 Ts 5.23).

Portanto, cuidado com o evangelho enganoso, cuidado para não ser enganado, cuidado com os "cristãos" enganadores.

Cristão, meu co-herdeiro com Cristo da graça da vida eterna, pense nisto!

14 comentários:

  1. Irmão se o senhor puder dar um pulinho lá no meu blog no post de Rubens Alves, tem um irmão lá que postou sobre o que o Senhor falou. paz!

    ResponderExcluir
  2. Ok, acessarei em seguida, fica na Paz!

    ResponderExcluir
  3. Obrigada por comparecer ao meu blog. Paz seja contigo!

    ResponderExcluir
  4. Não há de que, é um prazer dar minha colaboração.

    Cicero Ramos

    ResponderExcluir
  5. A mais pura Verdade! Muitos tem sido ludibriados pelo Diabo, apesar de que ele não dorça ninguém a nada. As pessoas vão porque querem. O nosso querido e estimado Apóstolo Paulo em sua carta aos Tessalonisences, inspirado pelo Todo-Poderoso Espírito, nos revela que os tais serão ludibriados "com todo o engano da injustiça para os que perecem, porque não receberam o amor da verdade para serem salvos. E por isso Deus lhes envia a operação do erro, para que creiam na mentira; para que sejam julgados todos os que não creram na verdade, antes tiveram prazer na injustiça. (II Tessalonisences 2:10-12). Devido a isso infelizmente o engano tem prevalecido. Cito o ilustre apologista Clive Staples Lewis quando relata sobre a livre-escolha de ir para o inferno, para corroborar minhas assertivas: "Há apenas dois tipos de pessoas no final das contas: Aquelas que dizem a Deus: "Seja feita a Tua vontade", e aquelas à quem Deus diz, no final: "Seja feita a tua vontade".

    Paz no Perfeito Deus,

    Apologeta!

    Evangelista Eduardo França é autor do DVD: Milagres: De onde eles procedem? (Categoria: APOLOGÉTICA. À venda nos sites: CACP e MCK)

    ResponderExcluir
  6. Irmão Eduardo, de fato nós devemos nos postar na defesa do verdadeiro Evangelho. Todos nós somos fracos, possuímos falhas, mas o Senhor quer operar por nosso intermédio. Tenhamos misericórdia dos que se desviam da Verdade. Obrigado por seu comentário, tb quero visitar seu blog, fique na Paz do Senhor!

    Cicero Ramos

    ResponderExcluir
  7. Graça e paz amado!

    Belo texto e pertinente. Quanto mais mostrarmos a origem do pecado e sua natureza, mais pessoas convictas da necessidade de uma vida reta com Deus haverá.

    Com sua permissão gostaria de publicar em meu humilde espaço, citando a fonte.

    Em Cristo,
    Seu conservo Luciano Vieira

    ResponderExcluir
  8. Sinta-se à vontade meu irmão, obrigado pelo comentário, Deus o abençoe ricamente.

    Cicero Ramos

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. Muito bomo texto: Evangelho enganoso e os crentes enganados.
    È isto que tenho tentado fazer " em defesa do evangelho e da fé Biblica,sem o fermento de Roma. O problema é que, uma mentira pregada e ensinada por séculos, passou a ser uma "verdade" e agora para pregar a verdade sôa como mentira, heresia.Shalom

    ResponderExcluir
  11. Que bom que tenha gostado do texto, sempre que quiser meu amado expresse sua opinião, a mesma nos é mui preciosa, um abraço, Deus o abençoe!

    Cicero Ramos

    ResponderExcluir
  12. TEMPLO é fundamental! É onde se pode vislubrar o quanto se vai arrecadar (em dinheiro e em votos) para esses vagabundos. Não estou falando da IURD, com exclusividade. Antes dela já haviam a AD e congêneres.
    TEMPLO é fundamental porque é leve para esses vagabundos. Nem precisa ir atrás das pessoas. Elas vão por si mesmas. Aí é só dar a paulada da "moleira".
    TEMPLO é fundamental!

    ResponderExcluir
  13. Poderia explicar o que quer dizer com a palavra TEMPLO em seu comentário, irmão Francisco?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. TEMPLO é dinheiro!
      Isto no ideário dos vampiros e lobos tosquiadores.

      Excluir